sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Again - 5º capítulo


 no capítulo anterior 

Você Tchau. - me virei e fui caminhando. Rezei para ouvir ela me chamando de volta, e olha só: ela chamou. Olhei para o relógio no meu pulso e percebi que um novo dia havia começado. Eram duas e uma da madrugada. Quem sabe hoje, o dia não esteja perfeito pra mim? Virei pra trás olhando diretamente para aquela perfeição, e foi só ouvir o que ela disse para que o sorriso mais bobo aparecesse no meu rosto. - eu gostei de conhecer você. 

Justin: Eu também (seu nome) - ela sorriu mordendo o lábio inferior e logo depois acenou. [...] cheguei no meu quarto muito cansado. O dia foi terrível. O pior da minha vida com certeza. Mas eu não mudaria nada. Se passar por tudo aquilo me fez conhecer aquela garota, eu faria tudo novamente sem pensar duas vezes. Porq no final, valeria a pena. Deitei na cama e antes de cair no sono rezei. Rezei para que esse novo dia fosse melhor que o anterior. E que nenhuma tragedia mais acontecesse comigo. E por fim, rezei para que (seu nome) ficasse bem. Porq agora, mais do que nunca, eu me preocupava com ela. E se ela estivesse bem, com certeza eu estaria também. 
Amém.


5º capítulo 


Eu e ela. Somente nós dois. Estávamos sentados em uma toalha esticada naquela grama verde. Ela estava com a cabeça em meu peito e eu com as minhas mãos em torno do corpo dela. Ela sorria enquanto eu sussurrava uma música em seu ouvido. Aquilo parecia um sonho. Um sonho no qual eu nunca desejaria acordar. Só eu, ela e mais ninguém.

"JUUUUUUUUUUUUUSTIN, DESGRAÇA! LEVANTA." e só bastou isso para eu levantar da cama em um pulo. Ryan! Tinha que atrapalhar a melhor parte do sonho?

Justin: Porq você tá aqui cara? Quem deixou você entrar, e como você entrou? - eu disse passando a mão nos olhos. 


Ryan: Você devia tá tão lezado ontem que esqueceu de fechar a porta. - eu arregalei os olhos e comecei a olhar em volta do quarto, conferindo se tudo estava no seu devido lugar. - não colocou o celular pra carregar?

Justin: Que?

Ryan: Mas 'cê' tá tapado mesmo, credo.

Justin: Vai se fu...

Ryan: COMO eu estava dizendo... você está atrasado de novo.

Justin: De novo? Sério? - peguei o celular e vi que ele estava ligado, dessa vez eu que não acordei mesmo. - ah que caralho, de novo? - eu levantei da cama e comecei a me arrumar. Mas aí eu parei e pensei. O dia já começou igual o de ontem... então eu tenho chance de encontrar ela. Sorri comigo mesmo e fui fazer exatamente tudo o que havia feito no dia anterior. Fui até a estação de metrô com o Ryan. Chegando na faculdade, fui logo me sentando no banco para esperar o outro horário. Mesmo a aula não sendo com o Sr. Lumbert. Subi e desci as escadas três vezes, até a secretária vim chamar a minha atenção. Não taquei a corda do violão no meu olho, claro, mas fui até o banheiro fingindo estar com algum machucado. Sai correndo pela entrada da faculdade, enfiei minha perna em uma poça, liguei pra minha mãe e pedi que a Jazmyn me pedisse uma boneca. Corri até a estação do metrô e fiz questão de perder o primeiro.Esperei o próximo, mas pra minha decepção, ela não estava lá. Procurei por todo o metrô, mas nada. Talvez eu estivesse precipitado demais. É como dizem, o raio não cai duas vezes no mesmo lugar. Ou seja, não é só porq aconteceu ontem que teria que acontecer hoje. Se isso faz algum sentido.  

Decepcionado, fui caminhando para o hotel. Os flocos de neve começavam a cair, como toda a tarde. Passei a mão no cabelo tirando alguns desses que estavam lá. Assim que entrei  fui direto para o elevador, subindo até meu quarto. 

Justin: Chaz, o que faz aqui? - disse assim que pisei o pé no quarto e o encontrei na minha cama, junto com Ryan. Ou não, não pensem nenhuma besteira. Meus amigos podem ser inúteis, mas não jogam no outro time. 

Ryan: Eu não mereço isso. Não mereço mesmo. - ele levantou da cama dando um leve soco na parede. - primeiro é o Justin chorando por um pé na bunda. Agora vem o Chaz com a mesma boiolagem. Ah vocês vão tomar... naquele lugar. 

Chaz: Mas.. eu amo aquela garota. - ele disse fazendo cara de choro.

Justin: Quando você descobrir o que é amor, você repete isso ok?

Ryan: UI, depois dessa eu comia jornal e saía cagando notícia. 

Chaz: Cala a boca seu viado. - ele afundou no colchão e colocou o travesseiro no rosto, abafando o grito que ele acabara de dar. - EU AMO AQUELA GAROTA, E EU QUERO ELA DE VOLTA. 

Ryan: A gente sabe, então fala isso pra ela e me poupe de mais uma crise apaixonada, já basta o Justin chorando pelos cantos. 

Justin: EI. 

Ryan: Ei nada, porq só eu mereço isso? - ele olhou pra cima, levantando as mãos - ô Todo Poderoso, coloque umas garotas na vida desses dois, por favor. Não é legal ter que aguentar choradeira o dia inteiro. Um é muito, dois então... 

Chaz: Não dá pra conversar com você. - ele levantou nervoso da cama - você é meu amigo, tem que me consolar. 

Ryan: Como é que é? Consolar? - Ryan deu um riso debochado - você tá de zoa né? Meu irmão, deixa eu te falar uma coisa. - ele colocou um dos braços em volta do ombro de Chaz - você falou certinho, eu sou o seu amigo, não o Hitch Conselheiro amoroso. Pelo amor né? Se toca, vai fazer suas festinhas, chama as gatinhas, pega várias em uma noite. Não é isso que você gosta? Então. 

Justin: Agora eu entendo porq você não tem uma namorada Ryan. Que tipo de menina iria ficar com você ?

Ryan: As do tipo do Chaz. 

Chaz: Como é que é meu caro? 

Justin: Me fazem um favor, saem do meu quarto os dois. - eles ficaram me olhando debochados - AGORA! 

Chaz: Eu não gosto mais de vocês. Amigos ingratos. 

Justin: Se você quer ela de volta, fale com ela. Você ganha mais. Só não ganha ela... porq eu vou te falar, o negócio tá feio pra você. E agora é pra valer. - ele balançou a cabeça e saiu batendo a porta. 

Ryan: Vocês cansam a minha beleza. - ele revirou os olhos.

Justin: Vaza você também. Ou qual a parte do 'vocês dois' você teve a capacidade de não entender? 

Ryan: Mas você tá chato, pqp. - ele bateu a porta. 

Justin: Só pra avisar que não é geladeira não tá? - bufei e joguei minha mochila no chão, em seguida, deitei na cama na tentativa de dormir e esperar por mais um dia. Ouvi meu celular tocando... suspirei fundo e levantei pra pegá-lo. - Alô? - disse desanimado. 

"Justin? Hey sou eu." 

Justin: Eu... quem?

"Poxa Justin, eu. A ( seu nome )"

Justin: ( seu nome ) ? Er.. oi.

"Oi"

Justin: Er.. está tudo.. bem?

"Oh, sim sim. E com você?"

Justin: Também. Er... alguma razão pra.. me ligar? 

"É que eu... queria conversar com você e .. tem que ser agora."

Justin: Tá.. aonde você está?

"Me encontre daqui trinta minutos no Starbucks perto da minha casa. Tá?"

Justin: Claro, claro. Er.. tchau.

"Tchau."

Justin: Beijos. 

E a ligação, terminou. Corri até o banheiro e tomei um banho rápido. Enrolei a toalha na cintura e fiquei parado em frente ao guarda roupa, tentando decidir qual roupa vestir. Ótimo, agora eu to fudido mesmo. Escolher roupa? Eu sempre vesti a primeira coisa que estava na minha frente. Poxa garota, o que é que você está fazendo comigo? 
Chamei Ryan e Chaz, que ainda estavam no hotel, e pedi a ajuda deles - que cá entre nós foi a mesma coisa que nada --' - mas eles entraram em um acordo e o resultado final foi esse:



Justin: Tá apropriado? Sei lá, to me achando tão..

Ryan: Gay? 

Chaz: Qual é o problema que você tem com os gays?

Ryan: Ué nenhum, porq?

Chaz: Porq tudo agora é gay pra você. Aí Justin, achei a resposta certa do porq ele não ter uma namorada, porq ele quer um namoradO. 

Ryan: Repete isso seu desgraçado. - ele disse indo pra cima de Chaz, enquanto eu revirava os olhos. 

Justin: Olha eu já vou ok? - disse pegando meu celular e colocando no bolso da calça - não baguncem nada e não quebrem nada, falou? - olhei para os dois, que se batiam - Falou. - saí do quarto e peguei o elevador. 
Estava a meia hora no Starbucks e nada dela. Pegava o celular a cada dois minutos na tentativa de ligar pra ela, mas colocava na minha cabeça que mulher é assim: sempre atrasa. Quarenta, cinquenta minutos e nada dela. Uma hora depois, levantei da mesa. Cansei de esperar, devia ser só gracinha com a minha cara. Normal isso acontecer comigo. 
Passei a mão no cabelo e olhei para trás, uma última vez, só pra ver se ela vinha. A rua continuava vazia. Balancei a cabeça e segui caminho ao hotel. 

"Justin!" 

Escutei alguém me chamando de longe, virei pra trás e pude ver ela correndo em minha direção.  

Você: Hey, me desculpa... - ela ofegava - ... pelo atraso. Aconteceu um problemão na minha casa, e como sempre a culpa foi minha. - ela levantou as mãos e em seguida colocou na cintura - aí eu tive que resolver, e nem deu pra te ligar e... desculpa mesmo. - ela abaixou a cabeça parecendo nervosa.

Justin: Não.. er.. tá tudo bem. - sorri de canto. 

Você: Não tá. Sua cara está dizendo isso. - ela suspirou - ainda posso falar com você? 

Justin: Cla.. claro. 

Você: Podemos ir andando? 

Justin: Uhum. 

Você: Ok. - ela saiu andando na frente e eu logo a acompanhei. Havíamos dados muitos passos, e isso mostra que percorremos um caminho muito longo. Tá, isso não importaria se desde então, nós não havíamos dito uma palavra sequer. Mordi o lábio inferior e pensei em algo pra puxar assunto, mas nada saía. Era involuntário o fato de eu ficar nervoso perto dela. Eu nunca havia ficado assim com alguém antes, e isso comprovava o fato que eu já desconfiava há algum tempo: eu estou apaixonado. Completamente apaixonado por essa garota. - Justin... bem... eu andei pensando muito nesses últimos dias. Sabe nunca aconteceu coisa parecida comigo, e isso está sendo muito estranho confesso. Mas mesmo sendo estranho .. é bom... sei lá, eu não entendo. Mas isso me faz bem. E eu .. só queria saber se aquele negócio de amor a primeira vista é verdade mesmo. - ela parou e passou a mão no braço, mostrando nervosismo. 

Justin: Bom... é.

Você: E tudo o que você me falou ontem também?

Justin: É claro, mas ( seu nome ) olha... 

Você: Você gosta de mim Justin? 

Tá legal, tá legal. Que papo é esse? Ela tá bem mesmo? Até ontem me achava um maníaco e agora... tá dando uma de apaixonada? Eu devo estar sonhando mesmo. 

Justin: ( seu nome ) eu ... não queria dizer nada daquilo. Foi impulso, não me ache doido. Por favor. 

Você: Então você não gosta de mim é isso? - eu vi aqueles lindos olhos brilharem. Mas um brilho que não sinalizava boa coisa. 

Justin: Não, também não é assim... - tentei me explicar.

Você: Eu sabia. Ninguém nunca se apaixonou por mim, não ia ser da noite pro dia que isso ia acontecer. - ela olhou para os lados e eu pude ver que lágrimas escorriam por seu rosto.

Justin: Você tá chorando? - ela me olhou com ironia. É.. pergunta idiota também - nã.. não chora. Olha você tá entendendo tudo errado. - segurei em seu braço e a mesma o soltou com força. Ela deu meia volta e começou a andar. - hey, aonde vai? Espera. - corri atrás dela e parei em frente a mesma. 

Você: Não me entenda mal... eu só estou... de cabeça cheia. Cheia de problemas. - ela virou a cabeça mas sempre mantendo seu olhar fixo ao chão. Eu escutava seus soluços, e a cada um deles, meu coração partia cada vez mais. 

Justin: Eu posso te ajudar.

Você: Não precisa. 

Justin: Eu não perguntei, eu afirmei. - sorri de canto enquanto ela levantava a cabeça.

Você: Ain Justin - ela se aproximou e me deu um abraço. Um abraço que foi correspondido... fortemente. 

Justin: Vamos ir a um lugar mais calmo? Assim, você me conta melhor o que está acontecendo... isso é, se você quiser. 

Você: Tá... er... eu conheço um lugar. 


Continua.. 
Hey lindas, como vão? *-*
E aí curtiram o capítulo? Hein, hein? 
Psé, comentem aí deixando a opinião de vocês. É importante pra mim, poxa . 
Enfim, muito obrigada pelos comentários do capítulo anterior . 
Hm... eu sei que o capítulo não está dos melhores, mas eu não queria ficar mais tempo sem postar :)
Então é isso, até mais *-* 

sábado, 10 de setembro de 2011

Again - 4º capítulo



no capítulo anterior ~

Justin: E você acha que eu planejei conhecer você ? Não. Sabe eu tive um dia horrível, totalmente horrível. Mas se eu falar que isso se chama destino você vai acreditar ? - eu balancei a cabeça negativamente - olha senta aqui . - ele me puxou até um banco que havia ali e sentou, e eu fiz o mesmo. - o meu celular acabou a bateria, se não tivesse acabado eu não chegaria atrasado na escola, não perderia aula e muito provável a corda do violão não teria acertado meu olho. E aí eu não iria sair da escola. Eu liguei pra minha mãe, e eu poderia ter pego o metrô anterior se minha irmã não tivesse me pedido uma Barbie. Mas ela pediu, e eu perdi o metrô . E se eu não tivesse trocado de lugar no metrô talvez eu nem teria te visto. Está vendo? Uma coisa ligou a outra, e todas juntas me levaram até você. E quer saber, se você estivesse lá no final eu poderia repetir todo esse dia horrível. Por você. 

Você: Doido. Problema mental, é isso que você tem. Olha Justin, eu realmente não estou entendendo nada. Mas cara, sai dessa. Isso não leva uma pessoa a outra. Isso não é destino. - eu disse me levantando enquanto ele me olhava com uma carinha de dar dó - Eu sinto muito, mas isso não é amor. - e aí eu fui embora. Com os pensamentos a mil. Ninguém nunca se apaixonou por mim, e não vai ser assim, de uma hora pra outra, que o meu conto de fadas vai acontecer. 



Ryan: Então você levou um fora da mina? - ele dizia se jogando na minha cama e caindo na gargalhada.


Justin: Não foi bem um fora. Creio que é só um tempo pra ela pensar. - eu disse passando a mão no cabelo, pois sabia que, ela não iria pensar em nada referente a mim.

Ryan: Ah claro . Aí ela espalha cartazes com uma foto sua com a legenda 'procura-se maníaco' e aí quando te encontra vai se declarar. 


Justin: Para de ser imbecil, ela não vai fazer isso. 


Ryan: Exatamente, ela não vai pensar em você. 


Justin: Quem sabe?


Ryan: Ai Justin para de ser mané. 


Justin: Cala a boca e dá start logo nesse jogo. 


[...]


Ryan: Ganhei....de novo. - dava pra sentir o tédio dele pela voz. Essa era a nona partida. E a nona partida que eu perdia. - ah cara qual é ? Eu sei que sou seu amigo e que por mais que eu diga não, minha obrigação é te fazer ficar melhor, mas me diz porq diaxo eu tenho que ficar nessa merda de quarto com você, jogando um jogo estúpido e tendo que ver você se lamentar por um pé na bunda, enquanto o Chaz dá a maior festa desse mundo?


Justin: Eu não to com ânimo pra festa. - eu disse jogando o controle do video game na cama. - se você quiser pode ir, não é sua obrigação ficar de babá.


Ryan: É, com certeza, não é. Mas cara, não é legal te ver assim. Eu sou seu amigo, e amigos não deixam que os outros permaneçam tristes. Vamos. Vai ser divertido. 


Justin: Eu já disse Ryan, se você quiser ir pode ir. 


Ryan: Eu só vou, se você for. 


Justin: Eu não to com ânimo Ryan... ainda mais para essas festas do Chaz.


Ryan: Tá bom, parou a gracinha Justin Bieber. Cara eu nunca te vi assim antes por causa de uma garota, ainda mais quando você a conhece em um dia. Por um lado eu tenho que concordar com ela, isso não é amor.


Justin: É sim Ryan. Eu sei que é. Eu sinto aqui dentro que é. 


Ryan: Para de boiolagem Justin. 


Justin: Não é boiolagem Ryan. Se não fosse amor não haveria pensamento nela o dia inteiro, e eu não escreveria uma música pra ela, e eu não a desejaria tanto. 


Ryan: Você já tá me dando medo Justin. Porra garoto, você conheceu a menina hoje. Não dá pra se apaixonar assim. - eu apenas virei os olhos e me controlei para não começar a brigar com ele - agora se arruma porq nós vamos pra essa festa você querendo ou não. 


Justin: Ryan. 


Ryan: Não tem nada de Ryan , põe logo qualquer porra aí e vamos logo. Volto aqui daqui cinco minutos. - ele bateu a porta. Bufando, me joguei na cama. Porq diaxo eu tinha que ir nessa festa sendo que eu não quero? Eu não iria me divertir lá. Como todas as outras vezes. As festas do Chaz só tem bebidas, mulheres, brigas, brigas, mulheres e bebidas. Só u_u isso seria o suficiente para qualquer menino da minha idade, mas eu não me enquadro nesse tipo de garoto. Eu sempre fico com a fama de anti-social nessas festas. Mas suave. Eu vou nessa merda de festa. Aliás é bem capaz do Ryan me capar se eu não for. [...]


E lá estávamos nós. No meio daquela multidão de gente. Ryan logo foi pegando um copo de bebida e cumprimentando as garotas. Eu revirei os olhos adivinhando que eu iria ficar sozinho até a hora dessa merda acabar. Dito e feito. Meu dia já não era dos melhores, e o tempo só está fazendo a questão de piorar. 


Karine: Hey Justin. - ela disse vindo até mim com um sorriso no rosto.


Justin: Oi Karine. 


Karine: Que bom que você veio. Chaz queria muito você aqui. 


Justin: Queria? 


Karine: É, ele disse que você precisava se divertir. - ela sorriu mais uma vez. Sei lá, mas me bateu uma dó dessa garota. Ela não só parecia, mas é um amor de pessoa. E eu sei muito bem que o Chaz não ia ficar só com ela. Ele logo logo começaria a se engraçar com outras garotas da festa. Aí a briga iria começar. - falou com ele já?


Justin: Não. 


Karine: Então eu vou procurar ele e ...


Justin: Não precisa Karine, daqui a pouco ele passa por aqui. Obrigado.


Karine: Então tá, eu preciso ir. Ah, deixa eu te apresentar uma amiga minha? Ela tá meio sem jeito aqui no meio de tanta gente estranha, e eu não posso ficar com ela a festa inteira. Aí eu achei que seria legal ela te conhecer. Posso?


Justin: Ah claro. - eu sorri de canto e ela foi me conduzindo até uma varanda que havia na cobertura do apartamento de Chaz. A tal garota estava de costas e parecia distraída. 


Karine: (seu nome) quero que conheça um amigo meu. Justin. 


A garota olhou sorrindo para amiga e quando pousou seus olhos em mim ficou com uma expressão de espanto. 


Karine: Com licença. - ela saiu e nem deu tempo de desfazermos aquele momento tenso. Ela voltou a olhar para a cidade, que dava pra ser vista perfeitamente daquele andar, e eu coloquei minhas mãos em meu bolso pensando em algo para falar. 


"Sobre hoje..." "Olha eu queria..." dissemos juntos essas mesmas frases. E a seguinte também : "fala você.


Justin: Ah não, fala você primeiro. 


Você: É só que... eu queria pedir desculpa por hoje mais cedo. Eu fui um pouco grossa e sem paciência.. eu só estava nervosa e aí... disse aquelas coisas.


Justin: Não, não. Eu que tenho que me desculpar. Eu fui um estúpido fazendo aquilo. Desculpa por te assustar. Não era minha intenção. - eu disse encarando o chão.


Você: É você me deu um baita susto. - ela gargalhou. E que risada gostosa era essa... - por um momento eu pensei que iria morrer. 


Justin: Desculpa ... eu agi por impulso. 


Você: Tudo bem. Tá tudo bem. - ficamos um certo tempo em silêncio - então estamos resolvidos? - ela esticou as mãos. 


Justin: Estamos. - eu sorri e apartei a mão dela. 


Karine: Hey vocês dois, vai começar o karaokê. - fazendo um sinal com as mãos, ela nos gritou lá de dentro. (seu nome) foi na frente e eu a acompanhei. Sentamos no sofá e ficamos vendo, e dando gargalhadas, daquele show de desastres que estávamos presenciando. A maioria que iam no karaokê estavam muito alterados. Interpretavam a música de uma maneira muito estranha e hilária. Isso quando cantavam, já que muitos só soluçavam e riam, fazendo todos da festa rirem junto. 

Chaz: Quem é o próximo? - ele gritou com o microfone na mão. Porq ele não fala no microfone? --' bêbado mesmo. 


Ryan: O Justin vai. - o Justin o que filho da mãe? Não acredito que ele disse isso. Todos os olhares voltaram contra mim. Talvez eles iriam perceber que eu não era tão anti social assim. Mas tinha que ser desse jeito? Percebendo que eu negava o 'convite' , todos da festa começaram a gritar meu nome enquanto batiam palmas. 


Justin: Tá beleza. - eu levantei e sussurrei pra Ryan - você tá fudido mano. - ele riu e Chaz me entregou o microfone. Nem direito de escolher a música eu tive. E então uma música um tanto quanto antiga começou a tocar 'You're the one that i want' ah para né ? Sem alternativas comecei a cantar . 


"I got chills, they're multiplyin', and I'm losin' control

Cause the power you're supplyin', it's electrifyin " 

Quando essa parte acabou eu me ajoelhei na frente de (seu nome) e estiquei a mão, em sinal para que ela me acompanhasse. E depois dela sorrir, ela o fez. Pegou outro microfone que estava na mão de Karine e continuou a música.  

"You better shape up, cause I need a man, and my heart is set on you
You better shape up, you better understand, to my heart I must be true"

E em meio a muito riso e de alguns fracassados passos de dança, encerramos a música. Confesso que foi melhor que pensei. Todos batiam palmas em meio a risadas. (seu nome) estava sem graça, mas até que tinha se saído bem. Fomos os dois até o barzinho que havia ali e pedimos algo pra beber. Nós dois respirávamos ofegantes e o suor já escorria em nossos rostos.

Você: Foi divertido.

Justin: É, foi. - rimos juntos e enquanto ela tomava sua bebida, eu fiquei a admirando. Admirei o quão lindo o sorriso dela é, e como ela fica mais linda com algumas mechas do cabelo sobre o rosto. Percebi que a bochecha dela estava vermelha devido ao cansaço e que ela ficava perfeitamente perfeita daquele jeito. Admirei o quão os olhos dela transmitem sentimentos que ela mesma não consegue transmitir em palavras, e o quão claros eles ficam com o toque da luz sobre eles. Admirei tudo o que essa garota tinha. Tudo. Inclusive o fato de me deixar todo bobo e apaixonado. 

Você: Justin?

Justin: Oi? - 'acordei' 

Você: Tava viajando pra onde? 

Pro encanto dos seus olhos...

Justin: - ri sem graça - nada não. Só tava pensando em algumas coisas.

Você: Que tipos de coisas ? - ela se aproximou e colocou uma das mãos na cintura.

Justin: É só que... - passei a mão pelo cabelo tentando criar coragem para me declarar. Ali mesmo. Não importava. Meu desejo por essa garota era maior do que qualquer coisa. E eu quero ela do meu lado. Agora. Seja o que Deus quiser. - é só que eu ... - fui impedido de falar quando ouvi gritos vindos do quarto de Chaz, e imediatamente a música e as conversas pararam, fazendo com que a gritaria pudesse ser escutada com mais clareza. Pude reconhecer que era a voz de Karine que fazia todo aquele escândalo. Ela gritava alguma coisa com Chaz. Conclui que ele havia feito o que eu tanto temia. Ele estava com outra garota. E se a gritaria estava vindo do quarto coisa boa não era. Vi que lágrimas caíam pelo rosto da garota, e Chaz estava tentando se desculpar, tentativa bem fracassada. Era certo. Fato. Isso sempre acontece. Uma garota nunca é suficiente para Chaz. Ele gosta é de várias aos seus pés. Mas aquilo era injustiça com a pobre garota. Ela me parecia ser tão legal. Aliás, foi a unica namorada, ou devo dizer, peguete, do Chaz que eu gostei. Em meio a lágrimas e gritos ela pegou sua bolsa e saiu correndo pela porta. Chaz olhou sem jeito para todos e mandou o DJ voltar com a música. Ele voltou para o quarto e eu pude ver por sua expressão que ele estava arrependido. Coisa rara da parte dele. Talvez ele realmente gostasse daquela garota, só ficou alterado demais e extrapolou. (seu nome) saiu correndo atrás da amiga, e eu também fui atrás. Encontramos ela na portaria do prédio em meio a lágrimas e lágrimas. 

Você: Amiga... olha... vem cá. - ela tentava acalmar a amiga. O que era quase inútil.

Karine: O Chaz... galinha.... mentiroso... - ela soluçava cada vez mais. 

Justin: Eu acho melhor levar ela pra casa. - sussurrei e (seu nome) insistiu para que ela fosse. No caminho fomos escutando todos os xingamentos que ela falava sobre Chaz e o choro dela só aumentava. (seu nome) me mostrou o caminho da casa dela e logo chegamos. 
Ela pediu que eu esperasse na sala enquanto conversava com Karine. Fiquei esperando por uns vinte minutos  até ela desceu novamente. Ela se jogou ao meu lado no sofá e respirou fundo. 

Você: Não foi fácil colocar ela pra dormir. - ela passou a mão na testa. 

Justin: Eu sabia que isso ia acontecer... conheço Chaz.

Você: Porq você não me falou? Podia ter evitado. - ótimo, agora a burrice do Chaz é culpa minha?

Justin: Eu pensei que com ela seria diferente.

Você: Mas não foi. - ela virou os olhos. 

Justin: Desculpa, eu não planejei que nada disso acontecesse.

Você: Percebeu que você não planejou nada o dia inteiro? - ela falou lembrando das minhas palavras ditas mais cedo - e você acha eu planejei conhecer você? . 

Justin: Bom, tá tarde eu preciso ir. - levantei e caminhei até a porta. Pensei seriamente em me declarar para ela novamente. Mas com esse último incidente que acabara de acontecer, eu tive que deixar pra uma próxima vez. Infelizmente. - qualquer coisa que precisar me liga. Tá?

Você: Tudo bem. - ela disse abrindo a porta - ah, antes que eu me esqueça faz um favor pra mim?

Justin: Uhum.

Você Dá um soco bem dado no seu amigo?

Justin: Claro. - ri. - então, tchau. 

Você Tchau. - me virei e fui caminhando. Rezei para ouvir ela me chamando de volta, e olha só: ela chamou. Olhei para o relógio no meu pulso e percebi que um novo dia havia começado. Eram duas e uma da madrugada. Quem sabe hoje, o dia não esteja perfeito pra mim? Virei pra trás olhando diretamente para aquela perfeição, e foi só ouvir o que ela disse para que o sorriso mais bobo aparecesse no meu rosto. - eu gostei de conhecer você.

Justin: Eu também (seu nome) - ela sorriu mordendo o lábio inferior e logo depois acenou. [...] cheguei no meu quarto muito cansado. O dia foi terrível. O pior da minha vida com certeza. Mas eu não mudaria nada. Se passar por tudo aquilo me fez conhecer aquela garota, eu faria tudo novamente sem pensar duas vezes. Porq no final, valeria a pena. Deitei na cama e antes de cair no sono rezei. Rezei para que esse novo dia fosse melhor que o anterior. E que nenhuma tragedia mais acontecesse comigo. E por fim, rezei para que (seu nome) ficasse bem. Porq agora, mais do que nunca, eu me preocupava com ela. E se ela estivesse bem, com certeza eu estaria também. 
Amém.

 
Heeeeey gatinhas da minha vida, como estão?
Primeiramente, mil desculpas pela demora. Mil desculpas mesmo. 
Em segundo lugar, muito obrigada mesmo pelos comentários e pelos selos *-*
Fico muito feliz em recebê-los *-*
Digam o que acharam do capítulo,
3 comentários pro próximo pode ser? 
Beijos ;*

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Again - 3º capítulo



No capítulo anterior ...


Desliguei o telefone e antes de sair da cabine, coloquei o capuz da minha blusa na cabeça.
Corri entre os carros e fui direto pra estação. Chegando lá eu percebi que não era o único encharcado , e isso realmente poderia me deixar feliz se eu não estivesse com o olho enxado e vermelho e a barra da calça toda suja de lama que aquele infeliz do carro jogou em mim. Percebi que o metrô acabara de sair, bufei de raiva e fiquei esperando o próximo.
Depois de trinta e dois minutos esperando, o metrô finalmente passou. Passei as mãos no cabelo percebendo como um dia pode ser tão longo, e pedi pra que mais nada de ruim acontecesse comigo.




Mas como era de se imaginar, mais alguma coisa ruim iria acontecer. Comigo, claro. Dito e feito, o metrô estava lotado. Acho que não cabia nem uma formiguinha por mais pequena que ela seja. Entenderam o aperto ?
Fui me espremendo ao máximo pra tentar chegar a um lugar confortável... mas estava difícil, bem difícil. Mas aí, uma coisa boa finalmente havia acontecido no meu dia. Uma menina linda que logo fez meu coração disparar. Ela era linda, completamente linda. Fiquei ali, observando a , por uns cinco minutos. Até que ela percebeu e eu tive que disfarçar. 
Percebi que ela logo desceu , e eu, desci na mesma estação. Mesmo sabendo que onde eu morava era do outro lado da cidade. 
 
Você on


Saí da estação e fui andando até um McDonald's mais próximo. Mas percebi que havia alguém me seguindo. Até pensei que poderia ser coincidência, mas andar colado em mim por três quarteirões é coincidência demais não?
Olhava a cada cinco minutos pra trás, e a pessoa sempre disfarçava .Coloquei a bolsa grudada a mim e andei praticamente correndo. 
Tentava disfarçar meu medo ... o que eu sei que não iria adiantar caso ele fosse um ladrão, ou um maníaco. Ok, - seu nome - é coincidência. Empurrei a porta da lanchonete, e suspirei aliviada . Agora se ele quisesse fazer alguma coisa, haveria testemunhas.
Eu estava tão nervosa que acabei pedindo um chocolate quente. E eu realmente não sei o que leva uma pessoa ir ao McDonald's e pedir um chocolate quente, mas enfim. Fiquei olhando de um lado para o outro enquanto batia minha unhas na mesa... sim, eu estou nervosa e muito. Aliás, eu vejo todo dia pessoas sendo roubadas, sequestradas, mortas .... etc e tal , vocês não ? Meu chocolate chegou e eu pude ver a porta da lanchonete sendo aberta. Olhei rapidamente para ela e vi o maníaco entrando. 


Você: OMG. - sussurrei baixinho enquanto abaixava a cabeça pra não ser reconhecida. Ele se sentou em um dos bancos que havia em frente ao balcão, e na tentativa de me manter calma comecei a rodar o canudinho dentro do copo... uma hora dessas o chocolate quente estava chocolate frio =X 
Disfarçadamente olhei aquele menino e vi que o mesmo parecia estar procurando alguém. E o alguém obviamente era eu . Abaixei a cabeça mais uma vez pensando em todas as coisas negativas que você possa imaginar. 


Xxx: Moça. - e esse sussurro em meu ouvido me fez dar um hiper grito e derramar 1/3 do chocolate quente na mesa e o resto em mim. Olhei pra trás rapidamente , enquanto toda a lanchonete olhava pra mim. Mas eu percebi que era apenas um atendente - me desculpa, eu não queria te assustar só queria saber se você queria mais alguma coisa.


Você: É no momento eu preciso de uma roupa nova e de um bom banho. Mas isso não te interessa. - cinco segundos depois eu percebi o que havia falado. Ótimo agora além de doida, vou ficar com fama de grossa. - desculpa...eu não queria ser grossa.


Xxx: Não, tudo bem... - ele disse saindo. E eu fiz o mesmo. Peguei minhas coisas, e no meio de tantos olhares, saí de lá. 


Xxx: Hey. - olhei pra trás e vi o "maníaco" vindo atrás de mim. Apressei os passos e percebi que ele também. - eu só quero saber se você está bem.


Você: Se eu disser que sim você vai me matar e fazer tudo ficar mal?


Xxx: Hein? - eu me virei pra trás e ele parou. 


Você: Toma. - eu estiquei minha bolsa. - pode pegar, leva tudo. Só não me mata por favor.


Xxx: Do que você tá falando? - ele disse fazendo uma careta.




Você: Da minha vida. Toma leva. - eu estiquei mais ainda a bolsa.


Xxx: Eu não to afim de te roubar.


Você: Não?


Xxx: Não.


Você: Ah ... - eu disse sem graça e abaixando a bolsa - então porq estava me seguindo ? Desde o metrô ?


Xxx: Eu estava te seguindo?


Você: Estava. Não estava?


Xxx: É, eu estava. Quer dizer...


Você: Porq O_O ?


Xxx: Nunca ouviu falar em amor a primeira vista?


Você: Eu já ouvi falar em problema mental serve?


Xxx: Eu não sou doido.


Você: Eu não to falando que você é louco. Mas olha, eu conheço um psicólogo ótimo. Se você quiser eu posso arrumar o número dele. 


Xxx: Eu já disse que eu não sou doido.


Você: Eu não sei não viu ? Primeiro me segue, vem com papo de amor a primeira vista ... isso soa estranho, muito estranho.


Xxx: Você nunca viu filme não? As histórias começam com amor a primeira vista, é por isso que eles ficam felizes no final.


Você: Em filme sim, na vida real não. Quer dizer, na minha vida não.


Xxx: Acabou de acontecer.


Você: Então... qual o seu nome mesmo?


Xxx: Justin.


Você: Então Justin, eu tenho que ir embora tá? Conversar com um maníaco não é o que eu tava planejando fazer hoje. - eu me virei  e continuei andando. Mas aí o tal Justin ... ficou na minha frente, me impedindo de continuar andando.


Justin: E você acha que eu planejei conhecer você ? Não. Sabe eu tive um dia horrível, totalmente horrível. Mas se eu falar que isso se chama destino você vai acreditar ? - eu balancei a cabeça negativamente - olha senta aqui . - ele me puxou até um banco que havia ali e sentou, e eu fiz o mesmo. - o meu celular acabou a bateria, se não tivesse acabado eu não chegaria atrasado na escola, não perderia aula e muito provável a corda do violão não teria acertado meu olho. E aí eu não iria sair da escola. Eu liguei pra minha mãe, e eu poderia ter pego o metrô anterior se minha irmã não tivesse me pedido uma Barbie. Mas ela pediu, e eu perdi o metrô . E se eu não tivesse trocado de lugar no metrô talvez eu nem teria te visto. Está vendo? Uma coisa ligou a outra, e todas juntas me levaram até você. E quer saber, se você estivesse lá no final eu poderia repetir todo esse dia horrível. Por você. 


Você: Doido. Problema mental, é isso que você tem. Olha Justin, eu realmente não estou entendendo nada. Mas cara, sai dessa. Isso não leva uma pessoa a outra. Isso não é destino. - eu disse me levantando enquanto ele me olhava com uma carinha de dar dó - Eu sinto muito, mas isso não é amor. - e aí eu fui embora. Com os pensamentos a mil. Ninguém nunca se apaixonou por mim, e não vai ser assim, de uma hora pra outra, que o meu conto de fadas vai acontecer. 




Continua.  
Amores, mil desculpas pela demora. Eu estava com a ideia do capítulo mas não tinha tempo pra escrever =x
Mas finalmente eu estou de férias e prometo não demorar mais =)
Kaah, minha linda, obrigada por comentar viu ?
E por favor, comentem tá?
Beijos ;*